aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘vila brasilândia’

dna da brasilândia

Em 2010 a Fundação Stickel promoveu o Curso de Documentário e Cinema “Brasilândia em cores” com a cineasta Julia Campos e apoio da equipe de sua produtora Brasilândia Filmes, em parceria com a Subprefeitura Freguesia/Brasilândia na Casa de Cultura da Brasilândia.

O resultado deste curso foi o documentário DNA da Brasilândia, curta metragem realizado entre Setembro e Novembro 2010, produzido pelos alunos e editado pela Fundação.

Júlia e os 18 participantes foram às ruas da Brasilândia para documentar a história do bairro e entrevistaram vários moradores com mais de 50 anos de Brasa. O vídeo conta a história do bairro, através destas pessoas que testemunharam o desenvolvimento e a transformação da Vila Tiro ao Pombo em Vila Brasilândia.

O documentário é um grande marco na produção audiovisual da Brasilândia, uma ótima referência de pesquisa e um instrumento para a população se apropriar de sua história. Além disso, presta homenagem a todos moradores da Brasilândia, em especial a Júlia Campos, falecida precocemente em fevereiro de 2011.

Alunos: Alberto Martins, Anaohan Verdaneiro, Carlos Alberto Rafael Naia, Flavio Marcio Vipo da Silva, Fredy Martins Santana, Gilberto Cezar, Iracy Bertuccelli Campos, Izabel Aparecida Moreno Augusto, José Osmar, Kaun Campos Miguel, Luana Alves de Souza, Lucas Pintom dos Santos, Monica Vanetti, Marcos Leandro Bertuccelli Campos, Marinalva Silva Costa, Obede Simão Sousa, Pascal Koudou Kokora, Thainã de Souza Barros

Direção: Julia Campos
Fotografia: Marcos Diógenes
Edição: Alex Feltre

é isso, por fernando stickel [ 14:35 ]

oficina no ceu-paz com rochelle costi

rodoanel
A Fundação Stickel em parceria com o CEU-PAZ promoverá ainda no 1º semestre de 2015 uma oficina com o objetivo de investigar as alterações provocadas pelas obras do Rodoanel Mario Covas – Trecho Norte na comunidade do Jardim Paraná, Brasilândia.

A construção tem e terá enorme impacto ecológico sobre a Reserva da Cantareira, bem como reflexos sociais e economicos na região e na comunidade.
Rochelle Costi, artista visual e fotógrafa conduzirá a oficina, que terá o nome de ESPAÇO, ESPESSO ESPELHO.

Os alunos receberão informações históricas e teóricas sobre intervenções urbanas similares no Brasil e no mundo, farão visitas ao local das obras e através de recursos simples como caixas de papelão, tinta gouache, recortes, cola, e também fotografia, interpretarão e reconstruirão suas visões e sentimentos.

A Fundação Stickel inicia assim novo Projeto Contrapartida, formato testado de colaboração entre a instituição e artistas, com o objetivo de proporcionar cursos e oficinas instigantes, transformadoras e de qualidade para comunidades carentes.

rodoanel2

é isso, por fernando stickel [ 10:22 ]

brasilândia no madalena cei

original_brasilandia_final
Fundação Stickel em parceria com o Madalena Centro de Estudos da Imagem convida para a abertura da exposição coletiva de fotografias “Brasilândia”, participando da 5ª Mostra SP de Fotografia, homenagem a São Paulo em seu aniversário.

Data abertura: 25 de janeiro, sábado, às 16:00h
Período: 25/1 a 10/3/2014
Local: Madalena Workshops Centro de Estudos da Imagem
Endereço: R. Faisão 75 – Vila Madalena, São Paulo Tel: 11 3473-5410

A Fundação, através de seu colaborador, o fotógrafo Arnaldo Pappalardo e seu assistente Lucas Cruz, realizou nos últimos quatro anos o curso de fotografia “Um olhar sobre a Brasilândia”, destinado a moradores deste distrito da Zona Norte da cidade. O registro impresso destas experiências visuais cria um legado histórico e cultural universal, que interessa aos moradores do bairro e à cidade de São Paulo, proporcionando também aos participantes o registro físico e emocional da valorização de seu trabalho.

A Mostra SP de Fotografia é um projeto fotográfico anual de ocupação da Vila Madalena. A cada aniversário da cidade, a ideia é curar e expor trabalhos de diversos fotógrafos, de diversas áreas, em restaurantes, bares, espaços culturais, escritórios, lojas, salões e galerias do bairro.

é isso, por fernando stickel [ 16:43 ]

um olhar s/ brasilândia 2012

um1
A Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha e a Fundação Stickel inauguraram no último sábado a exposição de fotografias “Um Olhar sobre a Brasilândia 2012″, com fotos dos alunos do curso gratuito ministrado por Arnaldo Pappalardo e Lucas Cruz em 2012.

um2
Arnaldo Pappalardo e sua família.

um3
Iris, Miriam, Glaucia, Anna, sem a dedicação de toda a equipe da Fundação Stickel a perfeição da mostra não seria possível! Obrigado a todos, Roberta, Marco, Adriana, Sidney, Angelita.

um4
A equipe da “Doces Talentos” vem fornecendo lanches e “coffee-breaks” a todos os nossos eventos, trata-se de uma história de sucesso, pois este Grupo de Geração de Renda foi incubado pela Fundação Stickel na Brasilândia e desde 2010 anda com suas próprias pernas!

um5
Kluk, da Diretoria da Poiesis, Organização Social (OS) responsável pela gestão da Fábrica, e Rubens, seu Superintendente.

um6
Os professores, Arnaldo e Lucas.

é isso, por fernando stickel [ 8:41 ]

um olhar sobre a brasilândia

olhar20
A Fundação Stickel e a Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha convidam para a abertura da exposição de fotografias “Um Olhar sobre a Brasilândia 2012”, com fotos dos alunos do curso ministrado por Arnaldo Pappalardo e Lucas Cruz em 2012.

Abertura: 15 Junho às 12:30h
Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha
Rua Franklin do Amaral 1281

Exposição ficará aberta de 15 de junho a 16 de agosto 2013
Terça a sexta-feira, das 9 às 17h / Sábados e domingos, das 12h30 às 17h

olhar2012
O catálogo acaba de ficar pronto, ficou lindo!

Veja aqui a cronologia completa do curso, que se iniciou em 2009.

é isso, por fernando stickel [ 16:31 ]

aprendendo com o fracasso

idis
Escrevi um artigo chamado “Aprendendo com o Fracasso” sobre experiências mal sucedidas da Fundação Stickel.
O artigo foi publicado no portal do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social – IDIS, veja aqui.

é isso, por fernando stickel [ 18:43 ]

olhar sobre a brasilândia

olhar-s
Nesta segunda-feira, 17 Dezembro 2012, encerrou-se o curso de fotografia “Um olhar sobre a Brasilândia IV”, promovido pela Fundação Stickel e ministrado pelo fotógrafo Arnaldo Pappalardo e seu assistente Lucas Cruz.
Tivemos o apoio da Subprefeitura Freguesia-Brasilândia e Fábrica de Cultura da Vila Nova Cachoeirinha.
Todos os alunos receberam certificados de conclusão do curso. em 2013 realizaremos exposição das fotos dos alunos.
Os alunos:

Ana Paula Oliveira de Moraes Lima
Arza Roze Steinmetz
Cibely Dehn Araujo Quirino
Cristiane de Lima Bellini Marin
Cristiano Marcelino de Andrade
Eduardo Vinicius Augustinho
Eliana de Carvalho Amorim
José Rodrigues de Oliveira Pereira
Juliana de Oliveira Fenner
Juliana Gonçalves Ferreira de Paula
Julio Cezar Oliveira Souza
Karina do Carmo Neto
Liliamar Lopes de Camargo
Luigi Menezes de Souza
Marcio de Jesus Ferreira
Mônica Darcy Luz
Nádia Regina Pinto Gonçalves de Lima
Rafael Henrique da Silva Barros
Ramildo Gonçalves de Lima
Ricardo Papai Marin
Rodrigo Silva de Oliveira
Solange Teixeira de Lima
Sonia Freitas
Ulda Mandu

é isso, por fernando stickel [ 17:16 ]

vera martins: pintura por desconstrução

Vera-005
Livro Vera Martins: Pintura por Desconstrução

A Fundação Stickel, a Editora Terceiro Nome e a Galeria Jaqueline Martins convidam para o lançamento do livro “Vera Martins: Pintura por Desconstrução”, na Galeria Jaqueline Martins (Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 74, São Paulo-SP), no próximo dia 15 de dezembro (sábado), a partir das 12 horas.

O evento também marcará o início de uma exposição de Vera Martins no local e contará com uma performance da artista.

Editado pela Fundação Stickel e pela Terceiro Nome, o livro é belo registro da obra desta artista plástica que propõe a desconstrução do suporte da pintura. Desfiando a tela, Vera a transforma em fios e eles, por sua vez, tornam-se chicote e pincel, impondo suas marcas, formas e nós que geram linhas em uma ação enérgica, corporal e vital.
A artista vem de uma família de fiandeiras portuguesas que faziam à mão todas as etapas do trabalho: o plantio do linho, a sedagem, a fiação e o tear dos lençóis. Em seu percurso de 25 anos nas artes plásticas, Vera também se tornou uma fiandeira, tecendo a vida, a morte e a sexualidade em pinturas, objetos e instalações.

O livro começou com o Projeto Contrapartida da Fundação Stickel, por meio do qual a artista criou uma parceria para publicar seu trabalho e, em troca, desenvolveu um curso sob o mesmo tema, para jovens da Brasilândia, a partir das suas experiências com alunos na Alemanha. ”O livro é o projeto editorial mais ambicioso da Fundação Stickel até agora. Iniciou-se como um registro do Projeto Contrapartida e foi evoluindo, incorporou vários textos, fotos, recebeu a colaboração de várias pessoas e sofreu inúmeras revisões do design gráfico”, relata Fernando Stickel, presidente da fundação.

Performance – Por volta das 16 horas, a artista realizará na galeria uma demonstração de sua técnica de chicotear para produzir suas obras.
A exposição das obras de Vera Martins ficará aberta na galeria ate 22 de dezembro.

Serviço:
Livro Vera Martins: Pintura por Desconstrução
Organização: Fernando Stickel
Textos: Agnaldo Farias e Carlos Perrone
Fotos: Rômulo Fialdini
108 págs
ISBN: 978-85-7816- 100-2
Preço: R$ 40,00

Lançamento, exposição e performance da artista
Local: Galeria Jaqueline Martins (Rua Dr. Virgilio de Carvalho Pinto, 74, São Paulo-SP)
Data: 15/12 (sábado)
Horário: 12 horas

é isso, por fernando stickel [ 8:35 ]

sub
Curiosa sincronicidade!!

Como que a fornecer subsídios para comprovar a tese desenvolvida no post abaixo, recebo hoje do Secretário Executivo de Comunicação da Prefeitura de São Paulo as Coletâneas Anuais dos Boletins Informativos AQUI das Subprefeituras, em seis volumes finamente encadernados, abrangendo os anos de 2006 a 2011.

Analisando os verbetes da Subprefeitura Freguesia-Brasilândia, encontro apenas uma menção ao trabalho que a Fundação Stickel vem desenvolvendo na região desde 2007, no volume referente ao ano de 2010.

Ocorre que, apenas no período de 2010 a 2012, a Fundação promoveu na Casa de Cultura da Brasilândia:

-Exposição de fotos Juan Esteves “Presença”
-Curso de fotografia com Arnaldo Pappalardo e Lucas Cruz “Um Olhar sobre a Brasilândia I”
-Exposição de fotos Fernando Stickel “Vila Olímpia”
-Curso de documentário e cinema com Julia Campos “DNA da Brasilândia”
-Curso de fotografia para deficientes visuais com Teco Barbero “24 Horas de Olhar Universal”
-Mutirão de voluntários para revitalização da Praça Benedita Cavalheiro “Dia de fazer a diferença”
-Lançamento oficial do movimento “Transition Brasilândia”
-Exposição de fotos Valdir Cruz “Águas e Árvores”
-Exposição de fotos “Um Olhar sobre a Brasilândia I”
-Exposição de pinturas Carla Fatio “Entre Entes e Sementes”
-Curso de arte e atividades para crianças “Arte nas férias”
-Exibição de filmes às sextas-feiras para crianças e adultos “Cinema na Brasilândia”
-Curso de xilogravura com Laidye Negger
-Exposição de pinturas Plinio Toledo Piza “Terras e Céus: paisagens modulares”
-Curso para educadores da rede pública em parceria com IMPAES e CENPEC “Aproximações com a Arte”
-Curso de fotografia com Arnaldo Pappalardo e Lucas Cruz “Um Olhar sobre a Brasilândia II”
-Curso de curtas-metragens “Associação Cultural Kinoforum”
-Curso de vídeo “Instituto Criar”
-Exposição de fotos “Um Olhar sobre a Brasilândia II”

Uma pequena discrepancia, não é mesmo?
Prova inequívoca de que a Subprefeitura Freguesia-Brasilândia encontra-se totalmente desconectada de sua parceira, a Fundação Stickel, e vice-versa.

Ofício-Circular2

é isso, por fernando stickel [ 17:17 ]

fundação encerra parceria

Aprendendo com o fracasso

A Fundação Stickel acaba de encerrar em 27/11/2012 parceria com a Casa de Cultura da Brasilândia, equipamento da Prefeitura de São Paulo sob a gerência da Subprefeitura Freguesia-Brasilândia.
Em Maio deste ano finalizamos parceria com a Paróquia São José Operário da igreja católica, localizada na Região Episcopal Brasilândia, somando dois encerramentos de parceria em 2012, o que gera a necessidade de reflexão. É preciso entender o que levou as parcerias ao fracasso, para que fatos como estes não se repitam no futuro.

Tenho certeza que todos os projetos que foram desenvolvidos, em ambos os locais, foram de boa qualidade e atenderam à comunidade local. Por qual razão então o fracasso? Que forças se mobilizaram para inviabilizar a presença da Fundação? A quem interessa a nossa ausência?

Paróquia São José Operário

A Fundação chegou à Paróquia no final de 2008 através de reuniões da comunidade local com nossos APS (Agente de Proteção Social) que trabalhavam no Programa Ação Família, desenvolvido pela Fundação em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social. As reuniões se realizavam no salão paroquial, com a concordância não muito entusiástica do padre responsável.

A Fundação se retirou do Programa Ação Família, porém os contatos com a comunidade permaneceram, o trabalho evoluiu e frutificou com a criação de dois grupos de geração de renda em Maio 2010, e a assinatura de um contrato de parceria com a Paróquia para que os Grupos se desenvolvessem lá, firmado pelo Pe. Hilton em Agosto do mesmo ano, contrato esse que se verificaria totalmente nulo, uma vez que o padre não poderia assiná-lo sem a concordância da Cúria.

Uma crise se instalou ao final de 2010 por divergências em relação à reforma que a Fundação executava no imóvel da Paróquia, o Pe. Hilton desapareceu da Paróquia no início de 2011, vários padres se sucederam e nenhum deles se interessou em dialogar com a Fundação. A curiosa hierarquia da igreja dá autonomia quase total ao padre da paróquia, o Bispo pouca influência tem nas decisões tomadas na comunidade, que acabou por rejeitar a presença da Fundação, processo que culminou com o encerramento de atividades na Paróquia e a saída da Fundação em Maio 2012.

Percebo hoje com clareza que a Fundação pecou em vários aspectos: Por não obter o apoio da comunidade local aos seus projetos; Por falta de clareza quanto à estrutura hierárquica da Igreja Católica; Por não ter procurado o superior hierárquico do Pe. Hilton, o Bispo da Brasilândia, na assinatura do contrato de parceria.

Casa de Cultura da Brasilândia

Em relação à Casa de Cultura o processo foi similar, pois o convite para que a Fundação operasse lá os seus projetos não partiu de uma liderança local legítima, nem mesmo de um profissional graduado da hierarquia municipal, em consequência a Fundação acabou por aceitar uma posição de parceria informal, sem a garantia de contrato, realizando cursos e exposições com pouco interesse da comunidade local, o que poderia ter sido garantido pelo apoio das lideranças da comunidade e/ou por suas atividades estarem inseridas na execução de políticas públicas.
Crises se sucederam na Casa de Cultura pela total falta de apoio da Prefeitura, que não arcou com sua parcela de responsabilidade. A Casa de Cultura nunca abriu aos fins de semana, só para citar uma falha grave, e culminou com atitude francamente agressiva contrária às atividades da Fundação por parte dos funcionários públicos alocados na Casa de Cultura, o que acabou por gerar níveis de desconforto de tal ordem que a Fundação se viu obrigada a encerrar suas atividades.

O aprendizado

Uma pista imediata para entender as razões da nossa falha, em ambos os casos, reside na total ausência de interlocução, durante o período total das parcerias, com no mínimo uma liderança forte, representativa da comunidade atendida, bem como da instituição parceira. A ausência desta interlocução em alto nível acabou por minar a legitimidade do trabalho da Fundação.

É bem verdade que estes fracassos acabaram por gerar enorme experiência, que passa a fazer parte do acervo de conhecimento e sabedorias que a Fundação vem acumulando no trabalho com a população carente, que é complexo e exige habilidades políticas no mesmo nível das habilidades técnicas.?Apenas a prática, a reflexão, o aprimoramento técnico e político, e ao final a insistência em nossa missão será capaz de nos ensinar o caminho correto para este trabalho.

É bem verdade ainda que tanto de um lado, quanto de outro, é preciso o amadurecimento das instituições, seja das tomadoras de serviços (governo, igreja) quanto das prestadoras de serviços, (fundações, associações, ONGS em geral) para que as parcerias possam fluir sem sobressaltos e cumprir com sua função social, cultural, de benemerência e outras.

Existe, apesar de tudo, um indicador do acerto de nosso trabalho, que são os depoimentos positivos do nosso público, tanto de alunos dos diversos cursos, quanto dos parceiros que vem participando de nossas atividades e evolução.

é isso, por fernando stickel [ 18:24 ]

um olhar sobre a brasilândia

No último sábado, 15 Setembro 2012 a Fundação Stickel e Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha inauguraram a exposição
“Um Olhar sobre a Brasilândia”
Fotos dos alunos do curso de Arnaldo Pappalardo e Lucas Cruz, promovido pela Fundação Stickel durante 2011.

A exposição ficará em cartaz de 15 Setembro a 15 Outubro 2012
FÁBRICA DE CULTURA DA VILA NOVA CACHOEIRINHA
Rua Franklin do Amaral 1281, esquina com a R. Conselheiro Moreira de Barros 02479-001 São Paulo SP
Horário de visitação: terça a sexta, das 9h às 17h; sábado das 12:30 às 17:00

Contato: 11 3922-7664 com Glaucia glaucia@fundacaostickel.org.br
Patrocinio: Fundação Stickel
Apoio: T Tanaka; Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha; Museu da Imagem e do Som – MIS

Esta exposição marca o início de parceria da Fundação Stickel com a Fábrica de Cultura, equipamento da Secretaria de Estado da Cultura e a Poiesis, Organização Social de Cultura (OS) responsável por sua gestão.

um-olhar
Esta exposição teve um catálogo, editado pela Fundação Stickel, com textos do Arnaldo Pappalardo e meu próprio.

é isso, por fernando stickel [ 11:49 ]

um olhar sobre a brasilândia

capa_arnaldo
Foto: Rosa Maria Peres Horta

Fundação Stickel e Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha
convidam para a abertura da exposição

Um Olhar sobre a Brasilândia

Fotos dos alunos do curso de Arnaldo Pappalardo e Lucas Cruz

Abertura: sábado, 15 Setembro 2012 das 12:30h às 16:00h

FÁBRICA DE CULTURA DA VILA NOVA CACHOEIRINHA
Rua Franklin do Amaral, 1281 Esquina coma R. Conselheiro Moreira de Barros
02479-001 São Paulo SP

Exposição de 15 Setembro a 15 Outubro 2012
Horário de visitação: terça a sexta, das 9h às 17h; sábado das 12:30 às 17:00
Contato: 11 3922-7664 com Glaucia glaucia@fundacaostickel.org.br
Patrocinio: Fundação Stickel
Apoio: T Tanaka; Fábrica de Cultura Vila Nova Cachoeirinha; Museu da Imagem e do Som – MIS

é isso, por fernando stickel [ 16:00 ]

festival curtas metragens

festival
Em Maio deste ano a Fundação Stickel em parceria com a Associação Cultural Kinoforum e apoio da Subprefeitura Freguesia-Brasilândia promoveram um curso de curtas-metragens na Casa de Cultura da Brasilândia, destinado a 20 jovens da região, que frequentaram gratuitamente o curso.

Os resultados deste curso, quatro curtas-metragens, será exibido no 23º Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, que acontece entre 23 e 31 de Agosto.

Os locais de exibição e a programação se encontram no site do Festival.

Os filmes produzidos estão aqui.

é isso, por fernando stickel [ 18:17 ]

um olhar sobre a brasilândia

olhar1
Da esq. para a direita, Thais, funcionária da Fundação Stickel; Antonio, aluno; Arnaldo Pappalardo, professor; Gilberto, aluno e Lucas Cruz, professor, na inauguração da exposição “Um Olhar sobre a Brasilândia”, com trabalhos dos alunos do Projeto Contrapartida, promovida pela Fundação Stickel e Sub-Prefeitura Freguesia/Brasilândia na Casa de Cultura da Brasilândia.

olhar2
Martha Stickel, presidente do Conselho de Curadores da Fundação Stickel e Arnaldo Pappalardo.

olhar3
O vereador Floriano Pesaro com a aluna Isis e com sua assessora.

olhar4
A turma toda, professores, funcionários, alunos, e Walter, o responsável pela Casa de Cultura (de cabelos mais brancos que os meus…).

é isso, por fernando stickel [ 14:52 ]

doces talentos inaugurada!!

doces1
Ontem, 30 Maio 2012 tive o enorme prazer de inaugurar a padaria comunitária Doces Talentos na Av. Dep. Cantidio Sampaio 4930, Jardim Damasceno, Brasilândia. Vale a pena clicar aqui no link do Google Maps para ver onde é este endereço, entre a Brasilândia e Parada de Taipas, local que muitos paulistanos nem sabe que existe…

Fiquei realmente muito contente com o nosso trabalho, e com o grupo de mulheres que conquistou esta importantíssima etapa.

Concluido o período de incubação de dois anos do grupo de geração de renda, sob responsabilidade da Fundação Stickel e da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Fundação Getulio Vargas ITCP-FGV, com a parceria da Paróquia São José Operário, que cedeu o espaço, o grupo “Doces Talentos” caminha agora sozinho!

A evolução do grupo foi fantástica, a Fundação cumpriu plenamente seu papel de abrir para estas mulheres a possibilidade de crescimento individual e coletivo, pelo incremento de renda através da capacitação profissional e da formalização do trabalho, uma vez que o grupo já conta com o CNPJ, e emite notas fiscais.

doces21
As máquinas que o grupo recebeu do Instituto HSBC e do Consulado da Mulher estão finalmente instaladas no novo espaço, portanto plenamente capacitadas a operar no mercado e crescer.

Desejo de coração total sucesso ao empreendimento!!!

é isso, por fernando stickel [ 12:25 ]

kinoforum e fundação stickel

kinoforum
Começam as aulas do curso de curtas-metragens na Casa de Cultura da Brasilândia. Realizado pela Fundação Stickel em parceria com a Associação Cultural Kinoforum e apoio da Subprefeitura Freguesia-Brasilândia, a oficina contará com 20 jovens da região que frequentarão gratuitamente o curso.

é isso, por fernando stickel [ 18:07 ]

curtas-metragens na brasilândia


Começam as aulas de curso de curtas-metragens na Brasilândia

Realizada pela Fundação Stickel e a Associação Cultural Kinoforum, com apoio da Subprefeitura Freguesia-Brasilândia, a oficina contará com 20 jovens da região para frequentarem gratuitamente o curso.
As aulas começam neste sábado (5), a partir das 9 horas.
O projeto é realizado desde 2001, como atividade paralela do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo. Em 58 oficinas, já proporcionou a mais de 1 mil jovens a possibilidade de elaborar, dirigir, produzir e fotografar 237 curtas.
As 50 horas/aula resultarão na produção de quatro curtas-metragens digitais, com cerca de cinco minutos de duração cada. Eles serão exibidos em salas de cinema, integrando a programação do 23º Festival de Curtas Metragens de São Paulo, que acontece entre 23 de agosto e 2 de setembro 2012.

é isso, por fernando stickel [ 18:36 ]

dom milton


Estive hoje com Dom Milton Kenan Junior, Bispo da Região Episcopal Brasilândia, para levar proposta de implantação de uma Incubadora Local no Distrito da Brasilândia.
A proposta se concretizará através de uma parceria entre a Igreja Católica, a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Fundação Getulio Vargas ITCP-FGV, a Fundação Stickel, a Prefeitura de São Paulo e um parceiro apoiador ($$$).
Os entendimentos para a concretização desta idéia passam pela Cáritas Brasileira, braço social da Igreja Católica, através de seu programa de Economia Popular Solidária.
A reunião contou com a presença do administrador da Curia, Vergilio Trolli Filho, da representante da Caritas Brasilândia, Fátima Giorlano, Cristiana Freire e Felipe Bannitz do ITCP-FGV.

é isso, por fernando stickel [ 18:03 ]