aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003

Posts tagueados ‘artes plásticas’

tomie ohtake na fea

Estive ontem na FEAUSP, na Cidade Universitária para palestra do Prof. James Austin, da Harvard Business School, “A CRISE E SEUS IMPACTOS SOCIAIS?”. A palestra foi muito interessante, e o Prof. é uma figura simpaticíssima e singular, to say the least…

Do lado de fora, reencontrei a MONSTRUOSA escultura da Tomie Ohtake ainda lá no jardim, agora sem o plástico preto cobrindo-a, revelando o horror em todos os seus detalhes.

Este desastre da engenharia PERC me faz pensar o seguinte: Existe ainda uma parcela grande de pessoas de “nível” neste país que não acredita em projeto. Não basta o artista pegar um pedaço de papelão torcido e dizer que é uma escultura. É preciso ir à prancheta e detalhar, dimensões, materiais, estrutura, etc…, conversar com o fornecedor, aparar arestas, chegar ao processo construtivo ideal, algo que óbviamente não aconteceu neste caso.
Algumas faixas meio caídas avisam:

“Devido a falhas em seu processo construtivo, a empresa de engenharia PERC reconstruirá a escultura de Tomie Ohtake, sem custos adicionais para a FEA.”
Grande merda.

é isso, por fernando stickel [ 18:25 ]

bienal do vazio

Voltei à bienal do vazio hoje, fruto de um misto de masoquismo e incredulidade. Masoquismo porque sabia que ia sofrer novamente, e incredulidade porque continio a me perguntar:
Será que pode MESMO se tão ruim assim?
Mais uma vez vi uma mostra vazia e esvaziada, frouxa, fraca, medíocre, pobre, decepcionante.

Procurei o trabalho de Sophie Calle, artista que conheci pessoalmente e cujo trabalho acompanho e gosto. A maneira de mostrar o trabalho desta importante artista é errado, a Bienal não é sala de leitura nem biblioteca, é uma exposição de artes plásticas, pelamordedeus! E ainda que a leitura fosse necessária, não nestes bancos duros de compensado!

Outra artista que gosto é a gravadora Leya Myra Brander, culo trabalho está exposto em caixas de madeira compensada, na horizontal. Não gosto destas invenções, para mim exposição é na parede, na vertical, se possível com boas molduras e iluminação.

é isso, por fernando stickel [ 20:01 ]

tomie na usp


Em frente ao prédio da FEAUSP na Cidade Universitária existe uma escultura da Tomie Ohtake de 2008 coberta por um pano negro. Ao lado, duas placas em aço escovado, uma de homenagem a centenas de doadores que viabilizaram a execução da obra e outra informando o patrocínio da Osram e Credit Suisse, aparentemente através da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura.
A escultura está muito mal executada, talvez seja essa a razão do pano preto, vou tentar me informar.
O que mais me impressiona é a elevação de determinados artistas à condição de gênio e unanimidade nacional, sem o respectivo e necessário lastro na qualidade real do trabalho. É o caso da Tomie Ohtake e do Oscar Niemeyer, só para citar dois nomes.
Não estou com isto desqualificando TODA a produção destes artistas, tanto a Tomie quanto Niemeyer tem trabalhos excelentes, a grande maioria executados décadas atrás…

é isso, por fernando stickel [ 15:56 ]

desenho de aula


Desenho feito ontem cedo, na aula do Prof. Sergio Nery na 5ª Turma do MBA FIA-CEATS em Gestão e Empreendedorismo Social.

é isso, por fernando stickel [ 12:56 ]

pai no hospital

pai-72-pix.jpg
Minha amiga Magy Imoberdorf me envia por e-mail:

“Estou na Suiça , meu pai faleceu na semana passada e estou aqui fazem 2 meses.
Bjs e aqui um desenho que fiz de meu pai enquanto estava no hospital.
Magy
90×135 cm lápis e acrilica sobre tela.”

Eu também fiz alguns desenhos do meu pai no hospital, mas nenhum tão elaborado como este da Magy.

é isso, por fernando stickel [ 10:47 ]

babinski minas

babinskiminas.jpg
Aquarela do Babinski, da série feita em Minas Gerais. Uma preciosidade.

é isso, por fernando stickel [ 12:31 ]

babinski xilo

babinskixilo.jpg
Maciej Babinski, xilogravura.

é isso, por fernando stickel [ 9:34 ]

babinski & munch

babinskijoao.jpg
O artista plástico Maciej Babinski morou por um período em João Pessoa, Paraiba. De seu apartamento/estúdio ele tinha esta visão do Cabo Branco, logo adiante situa-se o ponto mais oriental do Brasil e da América do Sul, a Ponta do Seixas.
Quando vi este óleo sobre tela em seu estúdio comentei que me lembrava um pouco as paisagens de Edward Munch, ao que ele completou:
-Sim, porque tanto esta tela como muitas das paisagens do Munch foram pintadas de memória.

é isso, por fernando stickel [ 12:23 ]

stenio burgos

stenio.jpg
Esta pintura, óleo sobre tela, é de um cearense amigo do Babinski, Stenio Burgos.
Nesta nossa época em que a pintura anda tão desvalorizada, ver uma pintura excelente como esta é no mínimo, refrescante.

é isso, por fernando stickel [ 11:58 ]

maneirismo

maneirismo.jpg
Maneirismo contagiante nos desenhos, de cima para baixo:
Wesley Duke Lee, 1966
Dudi Maia Rosa, 1969
Fernando Stickel, 1970
Lembro-me bem desta época, e o fascínio que tinha por estes pequenos detalhes.

é isso, por fernando stickel [ 12:47 ]

calder

calder.jpg
Na minha infância eu adorava brincar com uma escultura de mesa do Alexander Calder, que meus pais compraram em uma das primeiras Bienais de São Paulo, nos anos cinquenta, com intermediação dos arquitetos Jacob Ruchti e Miguel Forte. Depois, não sei porque, ela foi vendida, e ficou com a família a correspondência do artista, e comigo boas lembranças de um brinquedo colorido.

é isso, por fernando stickel [ 7:57 ]

gravadores brasileiros

gravadores.jpg
A Fundação Stickel está apoiando a realização da exposição GRAVADORES BRASILEIROS CONTEMPORÂNEOS que acontecerá em New York em Outubro de 2007, com curadoria de Eduardo Besen, diretor da galeria Gravura Brasileira e reunirá os trabalhos de 32 artistas:

Ana Elisa Dias Baptista, Andréa Tavares, Armando Sobral, Arnaldo Battaglini, Augusto Sampaio, Cláudio Caropreso, Cláudio Mubarac, Diô Viana, Elisa Bracher, Ernesto Bonato, Evandro Carlos Jardim, Fabrício Lopez, Fernando Vilela, Francisco Maringelli, Giorgia Volpe, Helena Freddi, Jacqueline Aronis, José Roberto Shwafaty, Laerte Ramos, Larissa Franco, Márcio Pannunzio, Marco Buti, Margot Delgado, Maria do Carmo Carvalho, Maria Villares, Paulo Camillo Penna, Paulo Carapunarlo, Renata Basile da Silva, Sheila Goloborotko, Simone Rebelo, Ulysses Bôscolo e Walter Wagner.

A exposição faz parte da programação oficial da The Seventeenth Annual IFPDA Print Fair e do calendário oficial da 2nd Latin American Cultural Week – LACW.
Em 2008, a exposição Gravadores Brasileiros Contemporâneos será mostrada em Washington D.C. e na Cidade do México.

Gravadores Contemporâneos Brasileiros no Pratt Institute
Steuben West Gallery, Pratt Institute
200, Willoughby Avenue, Brooklyn, NY 11205
tel (718) 636-3517
abertura: 22/10/2007, segunda-feira, 17-19hs.
exposição: 23/10 a 03/11/07 ou com hora marcada.
horários de abertura: segunda a sexta-feira 13-17hs.

Gravadores Contemporâneos Brasileiros no Estúdio Goloborotko
68 Jay Street, Suite 209, (Entrada na Front Street, 147)
Brooklyn, NY 11201, fone: (718) 722-2772
abertura: 01/11/07, quinta-feira, 18-21hs.
encontro com os artistas e o curador: 01/11/07, 16-18hs. com a presença das artistas Helena Freddi, Jacqueline Aronis, Margot Delgado,
Maria do Carmo Carvalho e Maria Villares e do curador Eduardo Besen.
exposição: 02/11 a 30/11/07
horários de abertura: segunda a sexta-feira 10-19hs ou com hora marcada

“Brazilian Printmaking”
palestra a ser ministrada por Jacqueline Aronis
Steuben West Gallery, Pratt Institute
200, Willoughby Avenue, Brooklyn, NY 11205
24/102007, Quarta-feira, 15-17hs.

mais informações aqui

Organização:
GRAVURA BRASILEIRA
r. fradique coutinho, 953
05416-011, Sao Paulo, SP, Brasil
tel 55 11 3097-0301 e 3097-9193

patrocínio: Belas Artes
Fundação Stickel.

é isso, por fernando stickel [ 11:58 ]

estúdio

estud1.jpg
Não posso dizer que não tenha saudade das tardes de artes, sózinho no meu estúdio.

é isso, por fernando stickel [ 15:53 ]

zürich und kunst

max.jpg

Em Zurique, na Suíça, Magy Imoberdorf em frente às pinturas de Barnett Newman e Rothko no Kunsthaus Zürich, e eu sentado na escultura de Max Bill na Bahnhofstrasse.

é isso, por fernando stickel [ 15:35 ]

macc campinas


Fiquei feliz, realizado e orgulhoso.
A exposição ROUXINOL 51 que abriu hoje no Museu de Arte Contemporânea de Campinas – MACC é o primeiro fruto de parceria da Fundação Stickel com outras instituições, para realização de evento cultural.
Montagem perfeita, o espaço é muito bom, a equipe da Fundação Stickel funcionou com eficiência exemplar, enfim, sucesso total!
Parabéns a todos que trabalharam neste projeto!
A Fundação inicia 2007 com o pé direito, no seu primeiro evento público do ano.

é isso, por fernando stickel [ 23:30 ]

rouxinol 51


Prefeitura Municipal de Campinas e Fundação Stickel convidam para a abertura da exposição:

ROUXINOL 51
UM OLHAR SOBRE A ESCOLA BRASIL:
Curadoria: Claudia Valladão de Mattos

Abertura: Terça-feira 3 de Abril às 20h

Exposição: 3 Abril a 20 Maio 2007
terça a sexta-feira das 9 às17h sábado das 9 às 16h domingo das 9 às 13h

Museu de Arte Contemporânea de Campinas José Pancetti – MACC
R. Benjamin Constant 1633 Centro de Campinas
tel 19 2116-0346

Idealização: Fundação Stickel

Esta exposição é parte de um projeto que implantará ao longo de três anos um “Centro de Pesquisas sobre a Escola Brasil: e a Arte Contemporânea Paulista” constituindo um espaço de referência sobre este tema, aberto ao público, com múltiplas atividades.
A Escola Brasil: fundada em 1970, pelos artistas José Resende, Carlos Fajardo, Luiz Paulo Baravelli e Frederico Nasser, funcionou como instituição de ensino entre 1970 e 1974 e opôs-se às formas pedagógicas tradicionais. Sua proposta de aprendizagem baseava-se na vivência e na atividade artística como experimentação, apoiando-se fortemente no modelo de formação recebido pelos seus fundadores na convivência com Wesley Duke Lee.
Procurando romper com as formas de ensino tradicionais, fundadas numa relação autoritária entre professor e aluno, os quatro artistas organizaram a Escola, não em torno de um currículo fixo e progressivo, mas em torno das personalidades de cada um dos fundadores. Os Ateliês tinham o nome de seus professores com a constante modificação do conteúdo de acordo com a orientação do professor.

A exposição apresenta:

– 60 fotos, em grandes ampliações, do cotidiano da EscolaBrasil:
– Trabalhos realizados nos Ateliês, de ex-alunos da escola como Leila Ferraz, Fernando Stickel, Suca Mattos Mazzamati, Gilda Maia Rosa, Flávia Ribeiro, José Carlos BOI Cezar Ferreira, Helena Carvalhosa, Sara Goldman-Belz, Gemma Giafonne.
– Documentos da época como cartas, apostilas, panfletos de divulgação, a única edição do jornal da Escola, Dois Pontos, revistas, catálogos das exposições dos professores nos anos 70 e o programa com a filosofia da escola estarão expostos em vitrines.
– Vídeo com entrevistas com os professores
– Distribuição de um catálogo gratuito, com texto da Profª Drª Claudia Valladão de Mattos e ilustrações diversas.
– Distribuição da reedição do trabalho de 1978 de Helena Carvalhosa e Regina Sawaya, “Sobre a Escola Brasil:”

Desde o final de 2006 a Fundação Stickel deixou de ter espaço para exposições. Esta mostra no MACC Campinas é o primeiro fruto de parcerias, estratégia atual para concretização de exposições.

é isso, por fernando stickel [ 21:10 ]

estúdio limpo


Meu estúdio na versão atual, com uma mini-exposição da série de fotos “Vila Olímpia”.
É tão bom quando se consegue fazer limpeza “de verdade”, nesta joguei fora coisas de 10, ou mesmo 20 anos atrás.
Que alívio!

é isso, por fernando stickel [ 19:22 ]

colagem


Esta é uma colagem virtual, ela só existirá em forma digital. O original de papel não existe mais, e nem tive que me preocupar com a cola e a limpeza…
Descobri esta maneira de fazer arte arrumando o estúdio, não é nenhuma grande novidade mas é interessante de fazer.

é isso, por fernando stickel [ 12:55 ]