aqui no aqui tem coisa encontram-se
coisas, coisas, coisas...
...desde janeiro de 2003


Foto Caio Reisewitz
Os artistas que doaram suas obras e que estavam presentes no leilão em benefício de José Carlos Boi Cezar Ferreira no auroras.
Agachado de camisa azul claro Ricardo Kugelmas, que gentilmente cedeu o auroras para o leilão.
A última pessoa da direita, de preto, é a Gisela Domschke, que organizou, listou, administrou, cobrou, e com sua enorme disposição e bom humor ajudou a realizar este belo e bem sucedido movimento.

é isso, por fernando stickel [ 17:40 ]

LEILÃO DE PAREDEJOSÉ CARLOS BOI CEZAR FERREIRA

Estamos organizando um leilão de parede em beneficio de José Carlos BOI Cezar Ferreira, grande mestre e referência para todos nós. O evento que vai acontecer no Auroras tem como objetivo a criação de um fundo de apoio que será administrado pela familia deste artista fundamental à nossa história.
67 artistas de várias gerações participam ativamente dessa ação especial. Os lances mínimos dos trabalhos foram estipulados por seus próprios autores. Para acessar a lista de trabalhos, clique aqui.

Data: Sábado, 10 de junho
Horário: das 12h às 19h
Local: auroras
Endereço: Av. São Valério 426  –  São Paulo
manobristas à porta

Contamos com sua presença, abraços,
Ana Maria Tavares, Artur Lescher, Bruno Dunley, Dudi Maia Rosa, Fernando Stickel, Jac Leirner,  Leda Catunda, Pedro Ferreira e Ricardo Kugelmas.


Qual a dinâmica do leilão?
Cada trabalho terá a seu lado uma folha com a ficha técnica e o lance mínimo estipulado por seu autor. Os interessados devem colocar nessa folha o valor de seu lance. Os lances na parede são abertos e conhecidos de todos. Às 19h, os trabalhos serão arrematados pela pessoa que tiver realizado o lance mais alto.
Caso não possa estar presente, será possível também dar lances pelo telefone. Para maiores informações, entre em contato com Gisela Domschke no e-mail: gdomschke@gmail.com

é isso, por fernando stickel [ 12:14 ]

Nós vamos dar um pulinho ali em Punta Del Este para o casamento da Clara & Felipe, té já!

é isso, por fernando stickel [ 23:10 ]


Três anos atrás iniciei no Madalena CEI o curso “Ponto Convergente”.
Para a inscrição e seleção me solicitaram um texto, que acabo de reler, vejam:

“PONTO CONVERGENTE

Em momentos de mudança buscamos orientação, indicação de caminhos e recomendações. Nos apoiamos nos depoimentos de quem passou por situação similar, até surgir clareza e caminho livre.

O livro milenar da sabedoria chinesa I-Ching garante responder sua consulta com exatidão, contanto que sua pergunta ao oráculo seja precisa. Se houver falha na resposta é porque a pergunta estava mal formulada.

Nesta jornada carregamos várias coisas, dúvidas, recursos, experiências, vontades.

Meu olhar é definitivamente uma das coisas boas que possuo, meu melhor instrumento de trabalho. Foi treinado, desenvolvido e aprimorado principalmente no âmbito das artes plásticas, mas também na arquitetura, nas cidades, ruas, museus, exposições, na natureza e em todas as experiências neste planeta. Recentemente (cerca de dez anos) este olhar vem voltando-se mais para a fotografia, onde também vem sendo aprimorado.

Mas o bom olhar por si só não resolve todas as questões, não faz a pergunta, não indica o caminho.

É preciso ajuda para chegar ao ponto convergente. É preciso formular a pergunta correta.
É preciso escolher um caminho.

Acredito que o curso “Ponto Convergente” possa me ajudar neste momento de procura, quando 30 anos de militância nas artes plásticas já ficaram para trás, e dez anos de experiência com a fotografia ainda não se consolidaram.

Fernando Stickel
24 Março 2014”

Posso assegurar que o trabalho foi feito, e eu não estaria onde estou hoje no universo da fotografia se não tivesse tido a rica experiência deste curso.

é isso, por fernando stickel [ 9:39 ]

No Dia Internacional da Mulher, homenageio uma mulher especial:

Júlia Campos nascida em 1965 na Vila Brasilândia em São Paulo, demonstrava desde criança seu amor à sétima arte.

Ela e o irmão Amaro gravavam histórias em fitas cassete para apresentar às crianças do bairro. Julia também participou de alguns comerciais de produtos.

Trabalhou como free-lance, produziu casting de elenco e até atuou como cabeleireira. O curso de cinema no SENAI foi o catalisador de sua carreira de cineasta.

Fundou com o marido a Brasilândia Filmes em 2007, ano em que deu vida ao seu primeiro curta-metragem “A loira do banheiro”, com a participação de moradores da comunidade.

Em 2010 nasceu o documentário “DNA da Brasilândia e suas histórias”, realizado pela Fundação Stickel em parceria com a Brasilândia Filmes. A Subprefeitura Freguesia/Brasilândia ofereceu o espaço da Casa de Cultura da Brasilândia para a realização do curso.

Júlia e os 18 participantes do curso foram às ruas da Brasilândia para documentar a história do bairro e entrevistaram vários moradores com mais de 50 anos de Brasa. O vídeo conta a história do bairro, através destas pessoas que testemunharam o desenvolvimento e a transformação da Vila Tiro ao Pombo em Vila Brasilândia.

Júlia Campos teve um AVC e faleceu precocemente aos 46 anos em 2011, poucos dias após receber homenagem da Câmara Municipal de São Paulo nas comemorações dos 64 anos do bairro da Brasilândia.

é isso, por fernando stickel [ 16:29 ]


Apoio!!

é isso, por fernando stickel [ 17:43 ]


O site de fotografias L’OEIL DE LA PHOTOGRAPHIE publica os portfolios de seus leitores.
O meu ensaio “Oficinas Clássicas” foi publicado!
Coque aqui para ver a matéria.

é isso, por fernando stickel [ 12:08 ]


Erna Hedwig Stickel e Arthur Stickel, meus avós paternos na Praia do Guarujá, final dos anos 40. Ele tinha nesta foto cerca de 60 anos de idade, e ela 50…
Ao fundo, a ponta dos Astúrias.

é isso, por fernando stickel [ 10:12 ]

Quero deixar registrada minha posição na polêmica que surgiu quando o novo prefeito de São Paulo, João Doria, iniciou sua batalha contra os pichadores, algumas semanas atrás:

“Depredadores do patrimonio público ou privado agem ao arrepio da lei, sejam eles “artistas”; “grafiteiros”; “pichadores”, “pixadores”; “manifestantes”; “militantes”; “políticos” e quetais.

Usem eles letras escritas, rabiscadas ou pintadas, em línguas conhecidas ou exóticas, utilizando baldes de tinta, broxas, sprays, picaretas, o diabo. Ao aplicar sua sujeira sobre monumentos, edifícios públicos ou privados, pontes, casas, viadutos, muros, pontos de onibus ou ruas, a dois metros de altura ou a 200 metros de altura, são simplesmente CRIMINOSOS.

Caso os vandalos atuem com motivação política, deverão ser tratados ainda com mais rigor, pois o “ser político” tem a obrigação de ser mais informado sobre seus direitos e deveres que o cidadão iletrado.

Ah sim! O resultado do “trabalho” dos criminosos, ou seja, sua “obra” deverá ser erradicada, sem perdão, pois arte NÃO é.

Ao contrário, grafitis executados em empenas ou quaisquer outras áreas públicas e ou privadas, com autorização dos respectivos proprietários/administradores são manifestações legítimas e devem ser incentivadas. Estas sim são ARTE.”

é isso, por fernando stickel [ 18:58 ]


Este sou eu, aos 68 anos de idade e 91kg. Ainda mantenho os 1,81m. de altura originais…
Sem dores significativas, sem mal estares significativos.
Me alimento bem, durmo bem, me exercito razoavelmente bem.
Trabalho bem.
Esqueço algumas coisas… faço malabarismos com a ajuda do Google para lembra-las…
A foto quem fez foi o Rafael do meu clube, sob minha orientação.

é isso, por fernando stickel [ 13:49 ]


Meu filho Arthur formou-se em cinema na Fundação Armando Alvares Penteado – FAAP no dia 8 Fevereiro 2017.
Ele estava radiante, e nós os pais idem. O astral da cerimônia estava alto, tudo transcorreu com tranquilidade e alegria.


Os pais orgulhosos!

é isso, por fernando stickel [ 7:55 ]


Nem eu mesmo acredito que este meu blog “aqui tem coisa” está completando hoje 31 Janeiro 2017 14 anos de idade!!!!
São 5.110 dias de atividade ininterrupta!!!!
Veja aqui o primeiro post.

é isso, por fernando stickel [ 14:51 ]


Curioso… e triste.

Não é de hoje que observo nos restaurantes, praças de alimentação, padarias, botecos que frequento que ninguém mais sabe utilizar os talheres. A imensa maioria das pessoas exibe à mesa contorcionismos de mãos, dedos e pulsos, enganchados nos talheres, que eu não sei nem como são capazes de fazer… Quem será que cria estes gestos nojentos?

Modos à mesa, aquilo que meus pais me ensinaram e transmiti aos meus filhos, não existem mais. O que aconteceu???!!! A boa educação saiu de moda?

E isso sem mencionar o uso dos celulares…

é isso, por fernando stickel [ 12:38 ]


Uma semana no paraíso!
Passamos o réveillon na gloriosa Bahia, hóspedes da Casa dos Arandis na Praia dos Algodões, Península de Maraú.
Praia limpa, enorme, vazia, boa de caminhar e em muitos trechos boa também para bicicletar.
Natureza (ainda) preservada, um privilégio!

é isso, por fernando stickel [ 14:44 ]

Sonhei que fazia parte um grupo de estudantes que iria à Faculdade de Arquitetura em Paris para uma palestra.
O grupo era uma mistura dos meus colegas da FAU-USP e do Colégio Santa Cruz.
Em um ônibus chegamos ao Campus, através de um imenso portão de ferro, que se abria sobre algo que tinha a cara da Park Avenue em New York, com as faculdades ocupando grandes prédios ao longo da avenida, e exuberantes jardins em seu centro.
Em uma longa caminhada chegamos ao prédio da Arquitetura, enorme, moderno, com muitas áreas verdes embutidas na parte de baixo de sua fachada.
Através de um pequeno elevador, muito apertado, entramos no prédio e chegamos a uma sala toda de madeira, paredes, teto e piso, onde tínhamos que sentar em uma carteira comprida para cerca de 24 pessoas 12 de cada lado. O processo para sentar era bem complicado, de encaixe, apertado. Na frente de cada lugar vários postais dos anos 40/50 com gravuras e caligrafias.
Nisto a imensa carteira começa a se movimentar e ganha enormes corredores, todos também de madeira, amplos, iluminados, muito bonitos.
Comecei a conversar em francês com uma moça vestida de short azul claro.
Percebi que em algum momento da viagem perdi minha mala cilíndrica listrada de branco e rosa…

é isso, por fernando stickel [ 13:18 ]

lens-culture
Mais um concurso… A cada participação, mais experiência…

Clique aqui para ver os vencedores.

é isso, por fernando stickel [ 15:23 ]

No dia seis eu descobri que fiquei só na promessa…

Caro candidato,

Dentre os mais de 500 inscritos, você é um dos 66 finalistas do Prêmio Gávea de Fotografia. O resultado será divulgado dia 06.12, terça-feira, até às 19 h. Obrigada pela sua participação.

Boa sorte.

Equipe Galeria da Gávea


Galeria da Gávea
+55 21 2274-5200
www.galeriadagavea.com.br
skype: @galeriadagavea

é isso, por fernando stickel [ 15:07 ]

ieb
Meus pais Erico e Martha Stickel doaram em 2002 parte importante da biblioteca que meu pai criou durante sua vida de bibliófilo e estudioso da iconografia brasileira.
A instituição escolhida para a doação foi o Instituto de Estudos Brasileiros da USP, o IEB, e a doação ocorreu dois anos antes do falecimento do meu pai, em 25/12/2004.

é isso, por fernando stickel [ 8:37 ]